Arquivo para abril, 2013

 

Ontem discutindo cinema com alguns amigos que também adoram a arte, me lembrei de um tema que sempre foi muito polêmico quando estudava cinema. Filmes são para entreter ou para pensar?

Acredito que a resposta correta seja: depende do filme e depende de você. Muitas pessoas vão aos cinemas por hobby, para passar o tempo, dar risadas; outras preferem filmes mais intelectuais, com uma mensagem ao fundo ou que não tenha um final claro, deixando um pontinho de interrogação na nossa cabeça. Eu sou um pouco de cada, adoro cinema, por milhares de razões, gosto de assistir filmes divertidos, gosto de mergulhar em romances e desejar que fossem minhas histórias, gosto de assistir filmes com finais surpreendentes e também gosto de filmes que saio com uma mensagem importante na cabeça.

Hoje resolvi trazer 4 filmes com o último propósito, fazer você pensar. Estes filmes são totalmente diferentes um do outro, cada um tem o seu propósito, alguns mais claros do que os outros, mas todos fazem uma espécie de “crítica” e nos fazem chacoalhar a cabeça no final e pensar.

4. It’s a Wonderful Life / A Felicidade não se Compra (Frank Capra, 1946)

Sinopse: Na noite de natal, George Bailey, um empresário que esta com um grave problema financeiro decide que deve se matar, porém, ao seu encontro vem um “anjo”. Quando Bailey o percebe, o anjo se identifica e começa a relembrar o empresário todo o bem que ele faz a diversas pessoas e como seria um desperdício se a sua vida fosse tirada. Antes se sentindo um fracassado, Bailey percebe que sem sua interferência muitas situações não teriam acontecido.

Sobre o que pensar: O quanto a sua vida não afeta somente a você, e sim a todos ao seu redor. Tudo o que você toca, todos que você conhece e muitas de suas atitudes tem um grande impacto em diversas outras vidas.

 

3. WALL-E (Andrew Stanton, 2008)

Sinopse: A humanidade deixou o planeta após poluir a atmosfera com gases tóxicos, graças aos entulhos de lixo. Em um primeiro momento o plano era deixar todos os seres-humanos em um retiro no espaço, enquanto robôs limpam o planeta. Um deste robôs é WALL-E, que se mantém em funcionamento graças ao auto-conserto de suas peças. Um dia o planeta recebe um novo modelo de robô mais moderno: Eva. Logo WALL-E se apaixona. Enquanto isto no retiro os humanos vivem uma vida de futuro, não precisando se movimentar, fazendo tudo por controle remoto e vivendo para comer e consumir.

Sobre o que pensar: O que estamos fazendo com nossas vidas? Quanto menos temos que nos mover melhor, quando mais compramos e consumimos mais felizes somos. O filme é uma inteligente crítica ao tipo de ser humano que estamos nos tornando, cada vez mais preguiçosos e superficiais.

 

2. Le Scaphandre et le Papillon / O Escafandro e a Borboleta  (Julian Schnabel, 2007)

Sinopse: Jean-Dominique Bauby, mais conhecido por Jean-Do, é um bem-sucedido jornalista e editor da revista Elle, que aos 43 anos de idade sofre um acidente vascular cerebral. Por conta do acidente Jean desenvolve uma síndrome muito rara, chamada de síndrome do encarceramento. A síndrome impossibilita o jornalista a mexer qualquer parte de seu corpo, além de seu olho esquerdo. Recusando a aceitar que seu destino seja este, ele aprende a se virar com o que tem, se comunicando através do olho e criando um novo mundo com aquilo que sempre foi seu maior dom: sua criatividade.

Sobre o que pensar: Você não tem limites, e quando se quer se faz. É o tipo de filme que apesar de triste deveria ser obrigatório para todos, principalmente para as pessoas que reclamam de pequenos problemas da vida.

 

1.  Requiem for a Dream /Réquiem para um Sonho (Darren Aronofsky, 2000)

Sinopse: Harry e Marion são um casal que tem como sonho abrir um negócio, porém, ambos são viciados em heroína. Sara, a mãe de Harry, é uma senhora viciada em programas de televisão. Um belo dia Sara é convidada a participar de seu programa favorito. Com o receio de aparecer diante de todo o país resolve tomar remédios para emagrecer e entrar em seu vestido favorito, porém, acaba se viciando. Entre dramas e alucinações dos personagens, o filme traz como o vício conduz os personagens a busca por um mundo ideal, porém, devastando o seu mundo real.

Sobre o que pensar: Drogas, vícios, sonhos. O filme é extremamente pesado e perturbador, traz cenas fortíssimas que chocam qualquer um que o assiste. Nele, é possível ver como é a vida de um viciado, e tudo o que ele é capaz de fazer para manter seu vício e fugir da triste realidade. Uma lição para quem usa drogas ou não tem limites quando almeja algo.

 

Beijos

Thábata

 

 

“Eu não sei qual é o segredo do sucesso, mas o segredo do fracasso é tentar agradar todo mundo.”

Ontem lendo esta famosa frase de Bill Cosby me deparei com um dilema que sempre foi muito forte na minha vida: agradar os outros. Na minha infância sempre tive medo de decepcionar os outros, de não ouvir um “Parabéns” ou um “Muito bem!”, fiz de tudo por todos, aprendi coisas que nunca me interessaram, fiz coisas que não tinha vontade, mudei meu jeito de se vestir e me portar para me “encaixar” em um modelo do que as pessoas esperavam de mim.

Nunca fui a melhor da turma nem conhecida por meus bons modos, mas sempre olhei para os lados antes de agir e um olhar feio me incomodava. Tímida e reprimida, cresci em uma cidade conhecida pela frieza de seus moradores, pela falta de sorrisos e pelo grande julgamento de todos. Atirem pedras quem quiser, mas aqui não tem quem não tenha sido criticado brutalmente por alguma atitude, por mais banal que tenha sido.

Demorei alguns (muitos) anos, mas aprendi que a aprovação dos outros não me fazia feliz, e que não importa o quanto você se esforce, alguém sempre vai te critivar. Deixei minha timidez de lado, parei de fazer as coisas pelos outros, e quando olho para uma cara feia respondo com um sorriso. Faço o que quero, e sei que sou muito mais julgada agora do que jamais fui, mas sou muito mais feliz por poder ser como sou do que viver uma mentira para agradar.

Minha dica é: desça do salto, venda aquela bolsa de marca que voce gastou 4 salários e faça uma viagem, não diminua uma mulher para parecer maior, não deixe de dançar por vergonha ou fique comendo alface ou tomando bomba para poder ser aceito. Seja você, se ame, se curta, se divirta, que se danem os outros, as pessoas sempre vão te julgar, portanto não viva para impressionar os outros, viva para impressionar a si mesmo.

Beijos

Thábata

 

Com certeza os mais ligados nas redes sociais e principalmente no YouTube já ouviram falar da série de comédia para web Porta dos Fundos. Considerado o melhor programa de humor para tv, o “seriado” foi idealizado por Antonio Tabet, Fabio Porchat, João Vicente Castro, Gregório Duviver e Ian SBF. Todas as segundas e quintas às 11hrs é lançado um novo esquete.

Tratando de temas do cotidiano de maneira engraçada e irreverente é impossível não rir. Com diversos atores, em cada vídeo interpretam pessoas diferentes em diversas situações como: uma entrevista de emprego, uma briga de casal, um jornal falando da previsão do tempo e assim vai. Destaque para a atriz Clarice Falcão e para Gregorio Duviver, que na minha opinião, são os mais engraçados.

Selecionei alguns dos que considero os melhores. Quem quiser mais informações pode baixar o aplicativo para celular (que traz todos os vídeos e as novidades), assinar o canal do YouTube ou entrar no site AQUI.

ps. Alguns dos vídeos tem um linguajar bem pesado.

Beijos

Thábata

 

 

A Dove sempre teve como linha de marketing mostrar a real beleza da mulher. Com diversas campanhas e pesquisas sempre procurou provar o quanto as mulheres são críticas e negativas a respeito do seu físico e sua aparência. A um bom tempo atrás trouxe em dois posts sobre a Dove, um mostrando uma campanha bacana usando personagens de desenhos animados AQUI, e outra que mostrava mulheres famosas e a imagem imposta pela mídia, AQUI.

Hoje vi no Facebook de uma amiga mais uma campanha surpreendente e muito criativa, o que mais gostei nela é o fato de que nos faz pensar em como nós (mulheres) somos realmente negativas.

O que eu mais gostei foi o resultado: quando falando de si mesmas os desenhos ficaram muito diferentes do descrito por outra pessoa. Os pontos considerados mais negativos pelas pessoas em si mesmas, na maioria das vezes não eram nem lembrados por quem a conheceu, e a descrição feita pela outra é muito mais realista e bonita.

Adoro estas campanhas principalmente para refletirmos. A maneira como nos vemos não é igual a que as pessoas nos vêem, o que desgostamos em nós e fazemos de tudo para esconder pode nem ser notado pelos outros. O que temos que aprender é a nos olhar com olhos positivos e menos críticos e nos aceitar, pois se sentir bonita e se amar é o melhor caminho para a felicidade.

Beijos

Thábata

 

 

Dizem que quando somos crianças todas as meninas sonham em ser bailarina e os meninos astronauta. Confesso que não sei pois na minha casa somos em 4 mulheres e nada de irmão homem. Lendo aqui em casa a Super Interessante encontrei uma matéria bem legal com um banco de dados da NASA, com várias informações e curiosidades legais. Meninos dêem uma lida e vejam se fizeram uma boa escolha não seguindo essa carreira.

Como a maioria dos dados são números, resolvi fazer uma pesquisa e trazer mais algumas coisinhas pra vocês.

– 12 homens já pisaram na lua, cada homem custou cerca de US$26 bilhões de dólares para a Nasa.

– Mais de 6300 tecnologias foram desenvolvidas pela companhia, destas, muitas foram parar no nosso dia-a-dia, como o “travesseiro da Nasa” e o  maiô Speedo.

– 600 milhões de pessoas assistiram o homem pisar na lua. O único evento mais assistido do que este pela televisão foi o casamento da princesa Diana.

– O astronauta Jim Lovell fi o único a ir duas vezes a lua, e nunca pisar nela.

– Em 54 anos da companhia, ocorreram 17 mortes, sendo 14 delas em ônibus espaciais.

– Neil Armstrong – o primeiro homem a pisar na lua – só aparece em uma foto na lua, todas as outras tiradas no dia são do seu parceiro de missão, Buzz Aldrin.

– Falando em Buzz, este mesmo foi a inspiração da Pixar para batizar um dos seus personagens mais famosos, Buzz Lightyear.

– O orçamento anual da companhia, R$35,1 bi, equivale a 0,48% do PIB norte-americano, e é 3,4x maior do que o que o Brasil investe no Ministério de Ciência e Tecnologia.

– A companhia mantém 3 robôs em marte em atividade, como o Spirit, que recentemente encontrou indícios de água no planeta.

– Atualmente a Nasa não utiliza seus ônibus espaciais, eles pegam “carona” dos russos para ir ao espaço.

 

Legal né?

Beijos

Thábata

 

Como fã de cinema me sinto na obrigação de assistir todos os tipos de filmes, mas sempre tenho meus favoritos. Apesar de o Brasil ser conhecido mundialmente no cinema por histórias tristes e da realidade nas favelas e na corrupção, eu sou grande fã das comédias nordestinas. Não foi fácil selecionar 6 filmes, tanto que a idéia original do post eram 5, mas não consegui deixar nenhum destes de fora. Tenho certeza que a grande maioria vai discordar com esta minha lista, mas estes são os 6 melhores filmes brasileiros na minha opinião.

 

6. Caramuru: A Invenção do Brasil (Guel Arraes – 2001)

Sinopse: Com Selton Mello, Deborah Secco, Camila Pitanga, Marco Nanini, Débora Bloch e Tonico Pereira o filme fala da descoberta de um novo mundo. Diogo (Selton) é um pintor contratado para desenhar um mapa mas acaba sendo punido e enganado e acaba deportado em uma caravela. Durante a viagem o navio acaba naufragando e por milagre Diogo se salva e chega ao litoral brasileiro. Neste local desconhecido e habitado por índios conhece duas belas índias Paraguaçu (Camila) e sua irmã Moema (Deborah). Nesta saia justa o pintor tem que se virar para fugir dos índios, ser aceito e entender todo este novo mundo.

Por que eu acho bom: Adoro a comédia, é legal por ser um filme de 12 anos atrás e como sempre Selton Mello está impecável e muito engraçado. Acho o elenco muito bom e a história criativa e elaborada.

 

5. Tropa de Elite 2: O Inimigo Agora é Outro (José Padilha, 2010)

Sinopse: 13 anos depois do primeiro filme, o famoso Coronel Nascimento (Wagner Moura) é nomeado Subsecretário de Inteligência da Secretaria Estadual de Segurança Pública do Rio de Janeiro, graças a um acontecimento 4 anos antes, aonde o BOPE falha em uma operação dentro do presídio Bangu I. Com este episódio o filme toma toda a linha de acontecimento. Nascimento tem que lidar com a adolescência do filho, a separação da mulher e um novo inimigo: a política.

Por que eu acho bom: O que eu adoro neste segundo filme de Tropa de Elite é que Padilha mostra o que todos os brasileiros fingem que não vêem, o grande culpado por todos os problemas do país, a corrupção. De forma bem agressiva e descarada todo o filme é uma crítica, e o anti-herói interpretado por Wagner Moura é um grande exemplo do que todos deveriam ser.

 

4. Jogo de Cena (Eduardo Coutinho – 2006)

Sinopse: O diretor Eduardo Coutinho colocou um anuncio em um jornal que foi atendido por 83 mulheres contando suas histórias, destas histórias 23 delas foram selecionadas. Todo o filme se passa no teatro Glauce Rocha aonde Marília Pera, Fernanda Torres e Andréa Beltrão interpretam estas histórias não deixando claro quando estão atuando ou contando suas próprias experiências.

Por que eu acho bom: Ele é simples, genial e muito interessante. É aqueles filmes em que você assiste e sabe que cinema é muito mais do que grandes cenários e muito dinheiro, pode ser somente uma câmera, um bom ator e uma boa idéia.

 

3. Lisbela e o Prisioneiro (Guel Arraes, 2003)

Sinopse: Débora Falabella interpreta Lisbela, uma apaixonada por cinema que vive sonhando com os galãs de Hollywood, Selton Mello é Leléu, um malandro sedutor que apronta todas. Durante uma de suas aventuras Leléu chega a cidade de Lisbela, aonde a conhece e os dois logo se apaixonam, porém, a moça é noiva. Em meio aos problemas que esta paixão desperta, um matador interpretado por Marco Nanini esta atrás de Leléu, já que o mesmo teve um caso com sua esposa.

Por que eu acho bom: Por muitos motivos, primeiro Débora e Selton tem uma sintonia ótima nos seus papéis de pessoas do interior e seus sotaques, Marco Nanini esta sensacional como um durão matador. Toda a história tem um tom leve, as tiradas são muito boas e os personagens muito bem bolados. Uma ótima comédia.

 

2. Cidade de Deus (Fernando Meirelles, 2002)

Sinopse: A história se passa em uma das favelas mais violentas do Rio de Janeiro. Nela o jovem Buscapé (Alexandre Rodrigues) segue seu talento como fotógrafo como forma de fugir do destino da maioria dos que moram no local, a morte. Através do seu olhar pela câmera o filme mostra o dia a dia de muita violência, mortes e vingança na Cidade de Deus.

Por que eu acho bom: É um filme bem realista, aqueles que todos devem assistir. Ele nos tira da nossa zona de conforto e de um mundo de ilusões, e nos mostra que nosso país não é só o que vemos nas ruas. Chocante e pesado é um bom golpe de realidade do “país do carnaval”.

 

1. Saneamento Básico (Jorge Furtado, 2007)

Sinopse: Em uma pequena vila de descendentes de italianos na serra gaúcha, a população se reúne e decide que precisa urgente construir uma fossa para o tratamento de esgoto. A prefeitura afirma não ter verba para fazer a obra, porém, dispõe de 10 mil reais que o governo federal deu para a produção de um filme de ficção que se não for utilizado, terá que ser devolvido. Marina (Fernanda Torres) decide escrever o roteiro e realizar o filme com a ajuda de seu marido Joaquim (Wagner Moura), de sua irmã e aspirante a atriz Silene (Camila Pitanga), seu cunhado Fabrício (Bruno Garcia) e seu pai Antônio (Tonico Pereira). Ao perceber que fazer um filme é muito mais complicado do que pensavam buscam a ajuda do produtor, diretor e roteirista Zico (Lázaro Ramos).

Por que eu acho bom: Por que eu acho a melhor comédia brasileira. É ingênua, não tem apelação e o elenco é perfeito. Os atores interpretam papéis diferentes dos que costumam fazer e realmente convencem. A história é nova e engraçada, e também possibilita quem esta assistindo a entender que fazer um filme é realmente um grande trabalho.

 

Beijos

Thábata

Categoria:New, Old
Comentário:0

 

 

Thierry Cohen é um fotógrafo que resolveu criar a coleção Darkened Cities. O trabalho representa como seria o céu estrelado das grandes cidades do mundo. Viajando para locais com a mesma latitude e com o mesmo céu das cidades escolhidas, Cohen fez e uma interessante combinação para dar o resultado desejado. Um exemplo são as imagens do Rio de Janeiro, aonde o céu de uma parte da Amazônia foi utilizado.

Los Angeles

 

Paris

 

Rio de Janeiro

 

São Francisco

 

Shangai

 

Tokyo

 

Muito legal né? No site dele tem mais alguns ensaios diferentes. www.thierrycohen.com

Beijos

Thábata

 

 

Geralmente temos o pensamento de que temos que fazer nosso papel dentro de casa e que o resto do lado de fora é responsabilidade de outros, não é mesmo? E que tal se você tivesse um livro que te desse idéias criativas de interagir e ajudar sua cidade? Você pode ter. Tenho alguns amigos que adoram essas coisas de cuidar do planeta e criatividade, e me deram no meu aniversário um livro muito legal: The Guerilla Art Kit. O livro, escrito pela canadense Keri Smith traz idéias de como fazer “arte de guerrilha”.

Dentro do livro idéias geniais de como falar com estranhos, como montar cartazes com frases para pensar, como fazer adesivos para colar pela cidade ou até mesmo uma bomba de sementes para plantas várias árvores de uma só vez. No fim do livro vem templates para você usar e se inspirar.

Adorei a idéia de mudar o mundo com a arte, são diversas as idéias e sugestões, coisas simples que podem ser feitas com as próprias mãos mas mudar o dia de alguém.

Uma das minhas partes favoritas são os exercícios, um deles é coisas que você deve encontrar soluções para, algumas delas são:

– Venda nada.

– Crie algo inspirado na luz.

– Transforme seu lixo.

– Documente o tempo.

– Crie decoração com informação

 

Para os criativos, os que gostam de mudar o mundo e os artistas de plantão, fica a dica.

Adorei o presente Fábio, Paula e Renata 😉

Beijos

Thábata