Arquivo para dezembro, 2011

 

O Natal e o final do ano chegando, e o S.N. mais uma vez vai tirar uma folga! Mas dia 06/01 estamos de volta!

Gostaria de agradecer muito as pessoas que gostam, comentam, entram, elogiam e seguem o blog, dizer que é um prazer imenso poder trazer coisas interessantes para vocês! O Something New é o meu xodó, e tenho muito orgulho dele!

Gostaria de desejar a todos um Natal cheio de magia, amor, celebração e que seja um dia para refletir a importância de estarmos perto da nossa família e das pessoas que amamos! E um ótimo 2012, com muito sucesso e uma listinha de promessas que sejam cumpridas!!

Eu vou estar na Disney para as festividades, prometo trazer dicas, novidades e um post do Harry Potter! (que eu não gosto muito, mas conheço quem seja viciado!)

Beijos Boas Festas!!!!

Thábata!!!

  

   Quantas vezes não me pego pensando em como era ingênua quando mais nova, em como para nós, meninas, relacionamentos são importantes e nos abalam desde o jardim de infância.


   Lembro de cada vez que brigava com um menino que gostava, ou terminei um longo namoro sério pensei comigo mesma desamparada: “Nunca mais vou encontrar alguém como ele”. A verdade é que eu não estava errada. Nunca encontramos uma nova pessoa igual a anterior, sempre temos tendência a procurar por alguém que tenha em suas maiores qualidades, os defeitos do amor anterior.


   Já fui o tipo de menina que achava que para ter um amor de verdade ele deveria ser perfeito, que duraria pra sempre, que jamais brigaríamos e seríamos felizes. Hoje sou mais realista, vejo que cada relacionamento nos acrescenta, nos ensina e nos prova cada vez mais que quanto mais imperfeito, mais marcante ele será.
   Eu costumo ser uma pessoa bem sonhadora, escuto muito de várias amigas – Ai não existe homem fiel – eu já acho que se pensar assim jamais serei feliz. Procuro sim um amor pra vida toda, não alguém que me complete, alguém que me acrescente quando já me sentir completa o suficiente.
   O que não entendemos e nos faz ter ânsia em arrumar o homem da nossa vida, é que só saberemos quem ele é e como ele nos faz bem quando soubermos quem somos por completo, o que queremos, do que gostamos. Relacionamentos existem para serem grandes lições em nossas vidas, não de como aquela pessoa nos fez bem, ou nos fez mal, mas de como podemos – e devemos – ser tão felizes sozinhos, a ponto de poder dividir esta nossa felicidade com alguém.

 

Fazia tempo que não escrevia, e hoje me deu vontade.

Beijos

Thábata

 

Não querendo ser clichê, mas já pensando em retrospectivas de melhores do ano, decidi colocar alguns dos vídeos que mais foram vistos no You Tube, comentados e compartilhados neste ano.

Os vídeos vão desde comerciais polêmicos, ou muito bem bolados, paródias, referências aos jogos viciantes entre outros.

Vamos aos vídeos…

Malditos Pôneis Malditos… (teve alguém que não ficou com esta maldita música gravada na cabeça?)

 

Comercial da Volkswagen : G Force (As idéias simples da Volkswagen que nos encantam)

 

Querido Eu aos 16 anos (Emocionante campanha sobre câncer)

 

100 Anos de Estilo (Direção de arte e idéia muito bem bolados)

 

Melhor Maneira para as Mulheres Perderem Peso (Achei esta campanha fantástica!)

 

E o Pintinho Piu… (Muita gente se divertiu com este vídeo)

 

Eu sei que existem muitos mais, mas estes eu decidi selecionar! Espero que concordem, os discordem! Haha

Beijos

Thábata

 

Eu vi em vários blogs esta pesquisa e resolvi postar aqui para ver o que vocês acham. Alguns pesquisadores da Universidade de York fizeram uma pesquisa para descobrir quais são as músicas mais contagiantes da história. Aquela música que quando começa a tocar todo mundo tem vontade de cantar junto, mesmo que só saiba o refrão. Em mais de mil canções as mais contagiantes foram estas, eu não entendo de música, e muitas são antigas, mas quando ouvi confesso que foram poucas que me contagiaram:

We Are The Champions– Queen (esta eu concordo, diga que você não canta weee areee the chaaammmpiooonnnsss)


Y.M.C.A. – The Village People (eu adoro, mas acho que da mais vontade de dançar do que de cantar)’


Fatlip – Sum 41 (eu gostei da música, mas ela é bem de americano adolescente)

The Final Countdown – Europe (me deu aflição por que o ritmo me lembra muito show da xuxa de quando eu era criança.)


Monster – The Automatic (uiii)


Ruby – Kaiser Chiefs (me deprimiu)


I’m Always Here – Jimi Jamison (musica do Baywatch! Escute que você só vai conseguir imaginar mulheres peitudas de maiô.)


Brown Eyed Girl – Van Morrison (nooo)



Teenage Dirtbag – Wheatus (gostei, mas bem adolesente americano também.)


Livin’ on a Prayer – Bon Jovi (adoro e concordo muito! Principalmente por ter o Bon Jovi!!)



 

E vocês o que acham?

Beijos

Thábata

 

Eu decidi mais uma vez falar de uma pessoa que admiro e conheço de perto o trabalho. Como falei do Gus Benke , decidi falar de mais uma fotógrafa, a Carolina Pessoa. A Carol nasceu em Santa Catarina, em Jaraguá do Sul. A publicitária de formação agora faz um curso de Fotografia e Imagem em Movimento.

O trabalho da Carol me chamou a atenção quando comecei a ver os Books que ela fazia de várias meninas e casais e as fotos ficavam muito lindas, e decidi fazer um também. Ela é muito querida, entende muito do assunto, e sabe como te deixar a vontade na frente da câmera.

O Something New fez uma entrevista com ela:

S.N. – Quando descobriu que queria ser fotógrafa?

CAROL – Sempre gostei de fotografia, mas nunca pensei em trabalhar com isso. Há sete anos atrás, quando comecei a cursar a faculdade de Publicidade e Propaganda, tivemos diversas aulas de Photoshop e durante todo este período de descoberta dos “milagres” do software, comecei a me interessar e a fotografar com uma máquina nada profissional. De início retratei as pessoas da minha família e algumas amigas. Foi aí que a coisa começou a fluir. Outras viram e se interessaram e assim por diante. Quando percebi que a procura começou a ficar maior, comprei uma máquina semi-profissional. O detalhe mais engraçado é que eu fazia de tudo um pouco, maquiagem, cabelo, figurino e direção. Cheguei a cobrar R$ 50,00 para os gastos básicos, rs. Não tinha coragem de cobrar, pois não me considerava uma real fotógrafa. Depois disso, no ano seguinte, fiz um curso anual em uma grande escola de fotografia em Curitiba, e aí sim tive o diploma de fotógrafa. Mas mesmo assim, meu grande salto profissional foi quando fui convidada pelo renomado fotógrafo e professor Brasilio Wille a trabalhar em seu estúdio como parceira. Participei de diversos cursos com ele e hoje eu dedico grande parte de tudo o que aprendi a este grande homem. Sempre acreditou em mim e sempre afirmou com muita categoria que eu tinha talento e que deveria lapidá-lo. Recebi diversos puxões de orelha e escutei diversas vezes que eu tinha “cabeça de funcionária”. Como cresci com isso! Hoje eu tenho uma empresa aberta e trabalho com fotografia de moda, publicidade e books. Amo o que faço e agradeço a Deus por ter colocado o Brasilio em minha vida.

S.N. – Qual foi a primeira pessoa que fotografou?

CAROL – Minha irmã. Como nossa mãe é Designer de moda, aproveitamos e fizemos a produção. Utilizei um grande estúdio chamado “corredor de casa” e fotografamos numa parede branca, com um espaço pequeno e com uma máquina do tamanho da minha mão e nada profissional. Nem sabia, mas estava fazendo meu primeiro marketing pessoal. As fotos ficaram muito legais e até hoje escuto comentários e elogios.

S.N. – Fotógrafo que mais admira?

CAROL – Brasilio Wille. Não só como profissional, mas como ser humano. Sou, também, uma grande amante do trabalho do grande fotógrafo Bob Wolfenson. Meu objetivo é chegar lá, rs.

S.N. – O que é fotografia para você?

CAROL – Minha maior paixão é o ser humano. Acho fantástico fotografar pessoas através de um pequeno espaço de câmera, olhar através e extrair o que cada ser tem de melhor e o que nem imagina ter. A satisfação que sinto em colocar meus dons através de minhas lentes é incrível. Eu amo o que eu faço e não sei como, mas quando menos percebo, eu deixei alguém mais feliz.

S.N. – O que é mais fácil de fotografar? E mais difícil?

CAROL – Mais fácil pessoas, qualquer tipo. Mais difícil Produto, no meu caso acredito que jóias e afins.

S.N. – Prefere trabalhos publicitários ou books pessoais?

CAROL – Gosto de ambos, cada um a sua maneira. A publicidade trás o glamour e permite a manifestação da criatividade, tanto da agência quanto do fotógrafo, além de um retorno financeiro. Já os books trazem uma satisfação pessoal. É sempre um prazer descobrir o brilho e a beleza de cada um através de todo o contexto de produção: luz, enquadramento, produção e um cérebro, rs.

S.N. – Qual foi seu ensaio mais marcante?

CAROL – Um grande ensaio que marcou minha carreira, ainda no início, foi o realizado com a modelo Rebecca Leão. Na época eu ainda trabalhava no estúdio do Brasilio e não tinha tanta noção técnica. Fizemos uma grande produção (virei maquiadora e figurinista, rs). Consegui deixá-la com diversos perfis. Como dizem por aí: “piramos” e o resultado foi muito bom.

Na publicidade eu citaria a produção de todo o material didático da Wise up (Wise up teens). Foi meu primeiro grande trabalho.

S.N. – Uma pessoa que sonha fotografar?

CAROL – Nossa, acho que várias. Mas como sou amante da fotografia de moda: Gisele Bündchen ou Grazi Massafera, que tem uma beleza incrível.

S.N. – Qual dica daria as pessoas que querem seguir a mesma carreira que a sua?

CAROL – O melhor fotógrafo ou profissional é aquele que segue o seu dom natural. Se você tem talento, vá em frente. Ser fotógrafo é um grande mérito, mas é preciso amar a profissão, pois como as demais, ela tem também suas dificuldades e desafios. Minha dica é que todos deveriam aprender a fotografar, mesmo que o objetivo não seja para fins lucrativos. A fotografia está envolvida em todo o nosso contexto de vida. Vale a pena para registrar, da melhor forma, os momentos importantes e as pessoas que fazem a diferença para nós.

“É sempre um prazer descobrir o brilho e a beleza de cada um através de todo o contexto de produção: luz, enquadramento, produção e um cérebro.” CAROLINA PESSOA

Eu adoro o trabalho dela, acho que ela consegue captar uns momentos lindos assim ou deixar qualquer pessoa muito sexy.

O site da Carol é: http://www.carolinapessoa.com/

Beijos

Thábata

 

Chegamos finalmente ao último post sobre a Califórnia!!!! Quem for ficar um tempo em Los Angeles, ou for de carro de L.A. para Las Vegas tem que dar uma passada no litoral, ver as casas, a bela água gelada e belas paisagens dos grandes piers.

Quando fomos alugamos um carro e andamos pelo litoral. As estradas são um pouco confusas, por isto é importante ter um GPS. Quando se chega em cada praia, que na verdade são pequenas cidades costeiras, é possível parar o carro nos diversos estacionamentos e ir andando até a areia. Em quase nenhuma fizemos um passeio turístico, de ir ver os pontos importantes, fomos mais para ver o mar, pois só tínhamos um dia.

Alugamos para passear um carro conversível, confesso, não vale muito a pena. O vento é forte no litoral, você não consegue ficar muito tempo com ela aberta, e na estrada pior ainda. (mas é legal para tirar fotos!!!)

A praia mais famosa é Santa Monica, é uma cidade costeira a L.A. e a mais perto para se visitar. O seu ponto mais famoso é o seu Pier (que aliás todas tem um), com uma roda gigante grande, a areia é lisinha e muitas pessoas passam por la com seus cachorros ou correndo.

Depois seguimos para Redondo Beach, que tem umas casas muito diferentes bem perto da praia, cada uma com um estilo diferente, mas um clima muito gostoso.

Quando continuamos fomos visitar um amigo que esta morando em Huntington , que fica no Condado de Orange (O.C.), do seriado!  Huntington é uma cidade não muito conhecida mas achei bem bacana ficar por lá, perto do Pier da cidade existem diversos restaurantes e lojinhas, é gostoso de andar. A cidade tem vários surfistas devido as boas ondas e foi onde a banda The Offspring começou!

Além destas praias existem diversas outras que você pode conhecer, só precisa ir com mais tempo. Vale a pena, é lindo, as pessoas são bonitas e as paisagens de tirar o fôlego.

Beijos

Thábata

ps1. Fotos de acervo pessoal e do Weheartit.

ps2. Agradecimento especial as modelos e companheiras de viagem Mandi e Luana, que tiveram paciencia de ficar tirando fotos de costas para mim!

Tags: , ,
Categoria:New
Comentário:0

 

Chegamos a segunda parte dos três posts sobre a California. É a vez da minha cidade preferida, Los Angeles! Quem gosta de cinema, musica, teatro, glamour, compras caras e famosos este é seu lugar perfeito…

Los Angeles é a segunda maior cidade dos Estados Unidos, é a sede de Hollywood, é a capital mundial do entretenimento. É um sonho. A primeira impressão de quando se chega na cidade é estranha. Você olha do aeroporto e vê longe uma ilha de arranha céus e mais nada, que na verdade é o centro. Cada parte da cidade – todas muito distantes – é muito diferente uma da outra.

Quando fui fiquei em Downtown, ficamos em um hotel boutique muito legal chamado The Standard, o hotel é totalmente diferente de tudo que eu já vi, mas ele merece um post só para ele que eu faço depois. Existem várias opções para se andar pela cidade, e realmente acho que as duas que usamos sao as melhores. Nos primeiro dias andamos de metro, que é limpo e prático e custa apenas U$5,00 o passe do dia inteiro, depois alugamos um carro para conhecer tudo, ver a cidade e descer para as praias.

 

Das coisas que devem ser visitadas, Universal Studios Hollywood. Os estúdios ficam em uma colina que possui carrinhos que levam as pessoas gratuitamente até o topo. Tem o parque, que é fraquinho, mas dentro dele você tem a possibilidade de fazer um passeio pelos estúdios de gravações de filmes e seriados. Durante este passeio o motorista vai passando em uma televisão as cenas de diversos filmes que foram gravados em cada lugar, é fantástico. Tem efeitos especiais, eles te mostram como foi feito King Kong, como usar o mesmo cenário para fazer diversos filmes, casas de filmes famosos e etc. Enquanto você conhece os estúdios pode ver os equipamentos e até alguém filmando.

Um dos bairros mais famosos do mundo por ter alguns moradores famosos é Beverly Hills, o bairro é calmo, tranquilo, muitas casas não tem muros e parecem pequenas por fora, mas isto é só a entrada. Existem vários passeios para se conhecer as casas de famosos e a mansão da Playboy, mas confesso que não me interessei muito.

Quem quiser fazer compras e tiver muuuuuito dinheiro ou acabado de ganhar na Mega Sena eu recomendo a rua da Julia Roberts, Rodeo Drive. Todas as lojas mais caras e sofisticadas se encontram nesta rua, quando fomos conhecer uma parte dela estava fechada para um evento da Versace, simples assim. Vale a pena conhecer, a rua é muito bonita e as lojas são de tirar o folego, vitrines bem elaboradas e tudo aquilo que queremos comprar mas não podemos…

Para ver o espírito de LA você precisa conhecer a Hollywood Boulevard. É a coisa mais turística que você pode fazer na cidade, e deve. Nela você vê a calçada da fama, com as estrelinhas dos famosos, o Chinese Theatre aonde tem as mãos e os pés dos famosos e já foi palco de três Oscar e vários eventos famosos, o Kodak Theatre que desde 2001 é o palco da premiação do cinema. Ao longo da rua você pode ver diversos novos artistas mostrando seu trabalho, tentando vender seus CDs ou mostrando o que sabem fazer.

Quem tiver interesse em ver mais estúdios a cidade ainda possui A Sony Pictures e a Warner Brothers. Eu infelizmente não fui conhecer, mas um dia quero voltar.

 

Dicas:

– O melhor lugar para se ver o Hollywood Sign é atrás do shopping ao lado do Kodak Theatre, você pode até subir níveis para tirar fotos. O shopping é muito bom também.

– Não alugue carro sem GPS, a sinalização nas estradas é péssima, e para ir para qualquer lugar você terá que usá-las.

– Se você atravessar na faixa de pedestres quando o sinal estiver aberto para os carros você é multado em U$175,00.

-Os outlets são longe da cidade, mas valem muito a pena. Os Premium são os melhores com lojas como Burberry, Chanel, Nike e  outras grandes marcas.

-As baladas fecham cedo. As 2a.m. eles ligam as luzes, tocam uma sirene e você é obrigado a sair.

Eu gostei muito de Los Angeles, é uma cidade bonita, o povo é amigável, limpa, fácil de se locomover e com todos os tipos de programas para todos os gostos.

Beijos

Thábata

 

Quando estava escrevendo sobre a Califórnia – para onde fui recentemente – comecei a esboçar tudo o que iria postar e fazer pesquisas e cheguei a conclusão que vou ter que dividir em três posts! O primeiro será sobre a íngrime San Francisco, depois posso falar da minha paixão particular Los Angeles, e depois falarei das belas praias.

 

Eu sei que quando a gente pensa em Califórnia imagina só praias, a Marisa Cooper e suas mansões ou os sarados e malandros de Chino, mas não é bem assim. Cada cidade deste estado é diferente, quando chegarmos na parte das praias quem sabe encontremos o Ryan. Ps. Se você não esta entendendo quem são as pessoas que eu estou comentando você não assistiu The O.C. Assista, mas ja aviso, a mocinha morre e tudo perde a graça.


Ok vamos voltar a San Francisco. Com 805 235 habitantes, é a quarta maior cidade da Califórnia. Com certeza vocês ja a viram milhares de vezes em muitos filmes, com aquelas ruas íngrimes difíceis de andar ou de dirigir. A cidade tem um custo de vida elevado, portanto, possui mais cachorros do que crianças! Carros não são muito vendidos por la, pois não existem vagas para estacionar.

A cidade é belíssima, apesar de ter um foggy (aquela neblina) constante, com sorte você pode ver várias paisagens. Seu principal cartão postal é a Golden Gate, a grande ponte vermelha que liga a cidade a Salsalito. Não consegui visitar Salsalito, mas meus pais adoraram e disseram que vale muito a pena.

Outro lugar cheeio de chineses tirando fotos (aonde estão os chineses estão as atrações) é a Lombard Street, uma rua que tem uma quadra de comprimento mas é bela por ser muito curvilínea e tem belos jardins muito bem cuidados por seus donos (que odeiam os turistas pois pisam neles para tirar fotos).

Uma das coisas que achei mais legal na cidade foi saber sobre o bairro de Castro, que fica na Eureka Valley. Castro é o bairro gay da cidade, que possui a maior porcentagem de homossexuais dos Estados Unidos. A cada 5 homens, um é gay – meninas não é um bom local para arrumar marido. Em castro, segundo minha guia, o taxista e algumas pessoas que conheceram, é permitido se andar nu. Sim, peladão. Mas não vá correndo lá procurar aqueles gays lindos de revistas, quem gosta de ficar pelado pela região são os homens mais velhos. Confesso, não tive coragem de ir ver, e nem curiosidade. O bairro é legal, possui muitas bandeiras do movimento LGBT – Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros. Acho a idéia muito legal, e da para ver que o povo se sente a vontade né?

Quem gosta de dar uma passeada, comprar tralhas e ter uma bela vista da cidade deve ir até o Pier 39, tem um aquário, uma carrossel, vários restaurantes (a melhor margarita que ja tomei na vida foi lá!), lojinhas e mais lojinhas, e leões marinhos. Sim tudo bem diferente.

Quem tiver curiosidade pode conhecer a famosa Ilha de Alcatraz, que já foi uma prisão de segurança máxima, ou a morada do famoso Al Capone. Para fazer compras em lojas melhores existe a Union Square, uma praça cercada por lojas conhecidas e a duas quadras de um belo Shopping.

Resumindo, você vai andar bastante, ver coisas muito curiosas, bondes para todos os lados, pessoas andando com seus cachorros do lado, belas paisagens e a cada casa que parar você vai se perguntar se já não a viu em algum lugar – quem sabe nos filmes; Um Corpo que Cai (Vertigo, 1959), Tudo Pra Ficar com Ele (The Sweetest Thing, 2001), O Casamento dos Meus Sonhos (The Wedding Planner, 2001), Doce Novembro (Sweet Novembrer, 2001), Os Pássaros (The Birds, 1963), E se Fosse Verdade… (Just Like Heaven, 2005), Uma Babá Quase Perfeita (Mrs. Doubtfire, 1993), Diário da Princesa (The Princess Diaries, 2001), Hulk (Hulk, 2003),  À Procura da Felicidade (The Pursuit of Happiness ‘sic’, 2006), O Caçador de Pipas (The Kite Runner, 2007) Em parte do filme, Entrevista com o Vampiro (Interview With the Vampire, 1994), A Dama de Vermelho (The Woman in Red, 1984), Milk, a Voz da Igualdade (Milk, 2008), O Homem Bicentenário (Bicentennial Man, 1999), EDTV (EDTV, 1999), Estranha Obsessão (The Fan, 1996), Stigmata (Stigmata, 1999), Zodíaco (The Zodiac Killer, 2007) entre outros…

Vale a visita, mas tente ficar mais do que dois dias, como eu.

Beijos

Thábata

 

Não sei qual o grau de interesse de vocês em entender como funciona a execução de um filme, mas eu particularmente, acho instigante. Antes de fazer cinema, eu sempre pensei que era fácil, que a vida de ator era fácil e glamourosa, que era encenar e alguém o filmava. Mas as coisas não são bem assim. Fazer um filme leva tempo, paciência, experiência e muito dinheiro. Lembro-me que na primeira aula do meu curso meu professor, um diretor curitibano, disse: Cinema é para os apaixonados. Posso dizer que concordo plenamente.

Vou contar passo por passo como se faz um filme, ok? (E vou colocando algumas curiosidades sobre as etapas que ja ocorreram.) As etapas, o que é necessário e vocês verão que tem que gostar muito para ir atrás de tudo isto, mas que com certeza não tem prazer melhor do que ver seu trabalho criar vida em uma tela de cinema e ouvir os aplausos depois.

Passo 1 – Idéia: Antes de querer filmar você precisa de uma idéia, por isto é necessário ser muito criativo. Muitas idéias surgem do nada, sem pensar, ou são adaptações de um livro ou refilmagens de histórias que já foram filmadas anteriormente. Cada um sabe sua maneira de se pensar e ter idéias, dai vai de cada um…

Ps. Merian C. Cooper teve a idéia de filmar King Kong depois de acordar de um pesadelo aonde um monstro peludo destruia Nova Iorque.

Passo 2 – Roteiro: Você pode contratar algum, ou as vezes este passo pode vir antes, quando um roteirista tem a idéia e vende um roteiro pronto. Esta pessoa vai entender toda a história e montar um roteiro detalhando todas as ações, falas, o que cada pessoa veste, diz, faz, como é o ambiente e todo o desenrolar da história. Sim um roteiro normalmente é enorme. Vou deixar como exemplo um inteiro que tem disponível online AQUI.

Ps. A roteirista de Juno, Diablo Cody, ganhou um Oscar em seu primeiro trabalho no próprio filme. Antes de virar roteirista ela era stripper.

Passo 3 – $ e um Produtor: Produtor é a pessoa que coordena tudo, o estúdio, a mão de obra, as locações, a distribuição e quem consegue o dinheiro para patrocinar tudo.

Ps. A refilmagem do filme Guerra e Paz em versão russa em 1968 custou aproximadamente 560 milhões de Euros.

Passo 4 – Equipe: É aqui que você escolhe os melhores dos melhores (ou os que você puder pagar) para dar vida a sua idéia. Contrate diretor (criador da obra), diretor de fotografia (quem cuida da camera e é responsável pela imagem), direção de arte (os elementos de cena, as cores, os tons, os objetos), figurinista (estudo o tema do filme e desenvolve a identidade visual e vestuário de cada personagem de acordo com sua personalidade), continuísta (quem garante que quando cortadas as cenas terão sentido) e muitas, muuitas outras pessoas.

Ps. O famoso diretor Francis Ford Copola começou dirigindo filmes eróticos. Sua “obra” mais famosa no estilo é o filme O Bordel da Montanha, que traz Drácula, Frankenstein e o Homem Lobo em um bordel (oi?).

Passo 5 – Storyboard: Mais uma parte que exige muito empenho e paciência. O Storyboard é como uma história em quadrinhos que mostra cena por cena como os atores estão posicionados, o que ocorre, aonde a camera deve ficar. Este exemplo abaixo é da famosa cena de Psicose de Alfred Hitchcock.

Passo 6 – Elenco: Agora é a vez de montar os testes e ter descrito exatamente o que se quer de cada personagem. Depois de entrevistar e ver encenações de várias pessoas você opta por quem tem o físico e o talento certo para cada personagem. Muitas vezes este é o fator delimitante do sucesso do filme, tem que ser feito com tempo e muito bem discutido.

Ps. Jenifer Hudson ganhou o Oscars de melhor atriz coadjuvante em seu primeiro filme, logo após ser eliminada do programa americano American Idol.

Passo 7 – Hora de filmar!: É agora que a brincadeira começa. Enquanto os estúdios são montados, os diretores e equipe viajam com os atores para gravar as cenas externas nas locações escolhidas pelo produtor. É bem mais fácil fazer cenas internas (em ambientes fechados), pois você tem a possibilidade de deixá-la do jeito que quiser, inclusive controla o clima, o horário, etc.

Ps. O filme 300., com o lindíssimo Gerard Butler foi feito inteiro na frente de uma gigante tela verde.

Passo 8 – Edite: Quando as cenas são gravadas elas não seguem a ordem em que aparecem na história, portanto, é preciso editar e colocar tudo em ordem e escolher os melhores takes. Nesta hora também são acrescentados os sons (como passos, batida de porta, telefone, etc) e a trilha sonora. Agora também são colocados todos os efeitos especiais.

Ps. O filme Tratamento Contra Insônia, o filme mais longo da história, possui 87 horas (3 dias e meio) de duração e mostra um poeta chines lendo. O filme só passou inteiro duas vezes e ninguém conseguiu o assistir inteiro.

Passo 9 – Divulgue: Contrate publicitários, faça cartazes, campanhas virais, pré estréias em vários locais do mundo para chamar a atenção ao seu filme.

Passo 10 – Aguarde… Você ja fez tudo o que podia, espera as criticas, veja sua bilheteria e triunfe! Ou não.

E então, alguém quer fazer um filme?

Beijos

Thábata

 

A marca das malas de viagem mais cobiçadas do mundo, Louis Vuitton, possui coleções de guias de viagem de diferentes cidades do mundo com dicas e uma leitura que só a marca consegue fazer. Os City Guides trazem pontos turísticos, o que há de interessante que não esta nos guias normais, como moda, cinema e as ultimas novidades. Alguns dos guias são atualizados depois de um determinado tempo, quando há mudanças de endereço ou coisas novas nas cidades.

Como existe a uns 10 anos ou mais – apesar de pouco conhecidos no Brasil – no exterior eles são famosos, existem lançamentos todos os anos com cidades novas, kits com várias partes de um continente. Abaixo a imagem mostra a loja (de morrer!!) de New York decorada com a marca.

Como uma amostra eu trouxe da internet alguns vídeos que mostram, de uma forma muito legal e diferente, o que trazem os City Guides. O meu preferido é o de Paris…


 

 

 

 

 

Vontade de ter esse trabalho né? Ficar viajando pelo mundo escrevendo sobre as peculiaridades das cidades mais fantásticas que existem…

Beijos

Thábata

Tags: , ,
Categoria:New
Comentário:0